Sessão solene lembrou o aniversário de criação do Estado de Israel

bancada-evangelica-por-israelProposta pelo deputado federal Jony Marcos (PRB/SE), foi realizada nesta quinta (19), uma sessão solene em homenagem Israel. Além do sergipano, formaram a mesa João Campos (PRB/GO), presidente da Frente Parlamentar Evangélica e o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA).

Foram convidados ainda, o ministro Lior Ben Do, representante da embaixada de Israel, bem como Paulo Maltz Milton Seligman, respectivamente vice-presidente e diretor da Confederação Israelita do Brasil.

A cantora Fortunee Joyce Safdie fez uma participação especial, cantando tanto o hino de Israel quanto o do Brasil. O tema principal da sessão foi lembrar os 68 anos da criação do Estado de Israel. O evento teve duração de duas horas e meia.

Vários parlamentares discursaram na ocasião. Aqueles que também são pastores destacaram a importância espiritual de uma boa relação entre os dois países, ecoando as promessas de Gênesis 12:3: “abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem”.

Roberto de Lucena (PV/SP) fez um breve histórico das relações entre judeus e brasileiros. Enfatizou que “Israel é a segunda pátria de todos os que se consideram cristãos”, lembrando que em muitas igrejas do país existem bandeiras de Israel como símbolo dessa união.

Sóstenes Cavalcante (DEM/RJ) fez a seguinte reflexão: “o país vive uma das piores crises já vistas… é uma crise espiritual também. Precisamos voltar o nosso olhar, o nosso coração para Deus… valorizar os laços de irmandade e fraternidade com o Estado de Israel”.

Marco Feliciano (PSC/SP) lembrou que aquele país deu ao mundo um de seus pilares: a moral judaico-cristã. Asseverou que o Brasil tem muito a aprender com Israel, mas que os partidos de esquerda brasileiros “odeiam Israel”, o que gerou problemas para a nação.

Geovania de Sá (PSDB/SC) enfatizou que Israel é um “exemplo para o mundo” e parabenizou o país, que embora pequeno e perseguido, é destaque na área da educação, economia e tecnologia.

João Campos aproveitou a ocasião para ler uma nota, em nome de 4 senadores e 199 deputados, membros da Bancada da Bíblia. Reafirmou que seus signatários não concordavam com a crise existente com o Estado de Israel, criada pelo governo do PT nos últimos anos. Ela culminou com arecusa do nome de Dany Daian por “posições ideológicas”.

Sublinhou que Dilma mostrou intolerância com Israel, mas defendeu o diálogo com o Estado Islâmico e que dedica “especial honra” aos governantes do Irã, conhecido pelas suas violações dos direitos humanos. Comemorou o fato de que, com Michel Temer, as boas relações irão ser retomadas.

Reconhecimento internacional

Depois de alguns anos de relacionamento conturbado, Brasil e Israel parecem estar estreitando seus históricos laços de amizade. Uma comitiva do Partido Social Cristão esteve em solo israelense este mês e seu presidente, pastor Everaldo, afirmou que a legenda ressaltou que irá trabalhar pelofortalecimento das relações entre os países.

Alguns jornais de Israel comemoram uma sinalização na melhoria da relação entre Brasil e Israel. OTimes of Israel acredita que Michel Temer é “amigo da comunidade judaica” e que o ministério das Relações Exteriores agora é dirigido por José Serra, aliado “de longa data da comunidade judaica”.

Além disso, o presidente interino nomeou para a presidência do Banco Central o economista Ilan Goldfajn. Ele é judeu de nascimento e veio para o Brasil aos 10 anos de idade.

Da Rádio Sintonia / Fonte: Gospel Prime