As festas de ano novo se mostraram uma oportunidade para o grupo terrorista Estado Islâmico demonstrar que, apesar de não possuir mais um território sob seu domínio -o alegado “califado” na Síria e Iraque-, continua ativo na incitação ao ódio a cristãos e judeus.

Um novo vídeo divulgado pela máquina de propaganda do Estado Islâmico promete atacar as festas de virada de ano ao redor do mundo dos “infiéis bêbados”. De acordo com agências internacionais, o vídeo teria sido gravado na Somália, onde os militantes do ISIS possuem aliados.

“Esta mensagem é para os irmãos que vivem entre os infiéis. Você não sente a dor dos irmãos muçulmanos no Iraque, Síria, Iêmen, Somália, Mianmar e Palestina? O profeta Maomé disse: ‘O infiel e seu assassino nunca se juntarão no inferno’. Isso significa que matar um infiel é sua passagem para fora do inferno”, diz um jihadista não identificado.

“Saibam disso, o Estado islâmico veio para ficar. Nós vamos continuar lutando até que governemos o mundo inteiro pela sharia, sob essa bandeira negra de ilaha illa Allah [Não há deus além de Alá]. Iremos desde Washington até Moscou, da Europa para a China, e não há nada que possa nos impedir”, acrescenta outro extremista, também mascarado.

Na sequência, o vídeo traz tomadas aéreas de uma igreja e uma montagem em que o símbolo de alvo nas lentes de armas é colocado sobre imagens de líderes cristãos como o papa Francisco e o cardeal Timothy Dolan, arcebispo católico de Nova York, com uma narração que instiga os muçulmanos a “caçar o clero cristão” no mundo.

“Ataquem suas igrejas no Oriente e no Ocidente”, orientam os terroristas do Estado Islâmico, com cenas de um atentado perpetrado recentemente em Nova York, segundo informações da Newsweek.

Jihad

Ao final, o vídeo mostra um homem identificado como Abu Al-Zubayr Al-Habashi, que convoca os muçulmanos do mundo todo para imporem o islamismo e a sharia a todas as sociedades.

“Onde você está? Você quer ficar junto com as mulheres e as crianças? Você quer permanecer junto com os hipócritas que não estão envolvidos na jihad? Você não teme a ira de Alá? O que você fez com sua religião? Enquanto eles lutam contra sua religião e queimam o Alcorão, você ainda está sentado sem fazer nada. Vocês que não estão envolvidos na jihad […] Retornem à sua religião. A sua religião é a jihad […] Apoiar a religião nestes tempos não é algo que pode ser feito sem carregarmos armas e derramarmos sangue”, brada.

As autoridades consideram que as ameaças feitas são reais e devem ser levadas a sério. Somente nas últimas semanas, o FBI impediu um atentado em San Francisco; O serviço secreto russo impediu a explosão da Catedral de Kazan; e o MI5 frustrou um plano de assassinato da primeira-ministra da Inglaterra, a cristã Theresa May. Em todos os casos, os envolvidos se declararam seguidores do Estado Islâmico.

Da Rádio Sintonia / Fonte: G.Notícias