O Senado dos Estados Unidos aprovou, na madrugada desta quarta-feira (20) , a redução em massa de impostos promovida pelo presidente Donald Trump, o que é direcionado fundamentalmente para as grandes rendas e empresas. A informação é da Agência EFE.

A reforma tributária foi aprovada com 51 votos a favor (todos republicanos) e 48 contra, todos os democratas.

A votação foi interrompida em várias ocasiões por gritos de opositores da reforma tributária, que estavam na galeria da Câmara Alta.

Embora o plano dos republicanos fosse de o Congresso aprovar o projeto de lei na terça-feira (19), o voto emitido pela Câmara dos Representantes foi invalidado por aspectos técnicos e deve ser repetido hoje.

O resultado do voto invalidado na Câmara Baixa foi de 227 a favor (todos republicanos) e 203 contra (democratas e 12 votos conservadores).

Se o resultado for repetido e o projeto finalmente for aprovado pelo Congresso, Trump poderá ratificá-lo hoje mesmo.

O texto destina-se principalmente a reduzir impostos sobre as empresas, diminuindo suas contribuições para o Tesouro de 35% para 21%, e as grandes rendas, com a criação de sete novos grampos de pagamento de impostos para indivíduos.

De acordo com o cálculo elaborado pelo Escritório independente de Orçamento do Congresso (CBO), a reforma promovida pelos republicanos somará 1,45 trilhão ao déficit nacional dos Estados Unidos na próxima década.

Outro destaque é a redução de imposto sobre herança: a reforma dobra o atual número livre de impostos sobre as heranças, que passa de US$ 5,5 para US$ 11 milhões para os indivíduos e de US$ 11 a US$ 22 milhões para os casamentos.

Essas e outras medidas fazem parte do que se considera o maior corte tributário desde o realizado pelo ex-presidente Ronald Reagan, em 1986.

Além da redução de impostos, os republicanos incluíram aspectos controversos dentro da reforma tributária.

Por um lado, revoga a obrigação de todos os cidadãos de ter um seguro de saúde que esteja incluído na legislação atual, conhecida como Obamacare; e por outro, autoriza pela primeira vez as prospecções de gás e petróleo numa parte do Refúgio Nacional de Vida Selvagem do Ártico.

* É proibida a reprodução total ou parcial desse material. Direitos Reservados

Da Rádio Sintonia / Fonte: Agência Brasil